Análise da secularização no Brasil

Palavras-chave: Secularização, Brasil, Modelos de escolha discreta

Resumo

Este trabalho analisa se o Brasil está passando por um processo de secularização, utilizando dados da Pesquisa sobre Religião no Brasil, conduzida em 2007. Modelos de escolha discreta foram estimados para entender quais atributos dos indivíduos afetam a desfiliação, descrença e ausência de prática religiosa, para confirmar ou refutar as hipóteses do secularismo. A estimação confirmou algumas hipóteses da teoria. Por exemplo, ter uma opinião liberal acerca de assuntos morais e sociais está positivamente associado com secularismo, enquanto níveis mais baixos de renda incorrem em menores chances de desfiliação. Além disso, o perfil dos desfiliados, descrentes e não praticantes é semelhante. Portanto, é possível afirmar que existe
secularização no Brasil. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Carvalho, Universidade Federal do Ceará

Mestranda em Economia em CAEN/UFC. Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Ceará.

Guilherme Irffi, UFC

Guilherme Irffi is Professor at Graduate Program in Economics, Federal University of Ceará (Caen/UFC) and research fellow of Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Referências

ALMEIDA, R. de; MONTERO, P. Trânsito religioso no Brasil. São Paulo em Perspectiva, v. 15, n. 3, p. 92-100, 2001.

ALVES, J. E. D.; CAVENAGHI, S. M.; BARROS, L. F. W.; CARVALHO, A. A. de. Distribuição espacial da transição religiosa no Brasil. Tempo Social, v. 29, n. 2, p. 215-242, 2017.

AZZI, C.; EHRENBERG, R. Household allocation of time and church attendance. Journal of Political Economy, v. 83, n. 1, p. 27-56, 1975.

BARRO, R.; MCCLEARY, R. M. International determinants of religiosity. Cambridge: National Bureau of Economic Research, 2003. (NBER Working Paper, 10147).

BRAÑAS-GARZA, P.; GARCÍA-MUÑOZ, T.; NEUMAN, S. Unravelling secularization: an international study. Bonn, Germany: Institute for the Study of Labor (IZA), 2007. (IZA Discussion Paper, 3251).

COSTA, F. J. M. D.; MARCANTONIO JUNIOR, A.; CASTRO, R. R. D. Stop suffering! Economic downturns and pentecostal upsurge. Rio de Janeiro: Escola de Pós-Graduação em Economia da FGV, 2018. (Ensaios Econômicos, n. 804).

COUTINHO, R. Z.; GOLGHER, A. B. The changing landscape of religious affiliation in Brazil 1980-2010: age, period and cohort perspectives. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 31, n. 1, p. 73-98, 2014.

DOBBELAERE, K. Towards an integrated perspective of the processes related to the descriptive concept of secularization. Sociology of Religion, v. 60, n. 3, p. 229-247, 1999.

FONSECA, A. B. Nova Era evangélica: confissão positiva e o crescimento dos sem religião. Revista de Estudos e Pesquisa da Religião, v. 3, n. 2, p. 63-90, 2000.

GREENE, W. H. Econometrics analysis. 5. ed. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 2003.

HALMAN, L.; DRAULANS, V. How secular is Europe? The British Journal of Sociology, v. 57, n. 2, p. 263-288, 2006.

HACKETT, C.; GRIM, B. J. The global religious landscape: a report on the size and distribution of the world's major religious groups as of 2010. Pew Research Center, Pew Forum on Religion & Public Life, 2012.

IANNACCONE, L. R. Introduction to the economics of religion. Journal of Economic Literature, v. 36, n. 3, p. 1465-1495, 1998.

INSTITUTO DE PESQUISAS DATAFOLHA. Brazil Religion Survey. 2007. Available in: http://www.thearda.com/Archive/Files/Downloads/BRAZIL_DL.asp. Access in: Feb. 2015.

IRFFI, G.; CRUZ, M. S. da; CARVALHO, E. B. S. Reasons for embracing a religion: the case of Brazilian women. EconomiA, v. 18, n. 2, p. 168-179, 2017.

JACOB, C. R. Atlas da filiação religiosa e indicadores sociais no Brasil. São Paulo: Edições Loyola, v. 7, 2003.

MACHADO, M. D. D. C.; BURITY, J. A ascensão política dos pentecostais no Brasil na avaliação de líderes religiosos. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 57, n. 3, p. 601-631, 2014.

MCCLEARY, R. M.; BARRO, R. J. Religion and economy. Journal of Economic Perspectives, v. 20, n. 2, p. 49-72, 2006.

MONTERO, P. Secularização e espaço público: a reinvenção do pluralismo religioso no Brasil. Etnográfica – Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, v. 13, n. 1, p. 7-16, 2009.

MOREIRA-ALMEIDA, A.; PINSKY, I.; ZALESKI, M.; LARANJEIRA, R. Envolvimento religioso e fatores sociodemográficos: resultados de um levantamento nacional no Brasil. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 37, n. 1, p. 12-15, 2010.

NERI, M. C. Economia das religiões: mudanças recentes. Fundação Getúlio Vargas, 2007.

OLIVEIRA, L. L. S. de; CORTES, R. X.; NETO, G. B. Quem vai à igreja? Um teste de regressão logística ordenada do modelo de Azzi-Ehrenberg para o Brasil. Estudos Econômicos, v. 43, n. 2, p. 363-396, 2013.

PRANDI, R.; SANTOS, R. W. dos. Quem tem medo da bancada evangélica? Posições sobre moralidade e política no eleitorado brasileiro, no Congresso Nacional e na Frente Parlamentar Evangélica. Tempo Social, v. 29, n. 2, p. 187-213, 2017.

RODRIGUES, D. S. dos. Religiosos sem igreja: um mergulho na categoria censitária dos sem religião. Revista de Estudos da Religião, p. 31-56, dez. 2007.

STARK, R. Secularization, rip. Sociology of Religion, v. 60, n. 3, p. 249-273, 1999.

THE ASSOCIATION OF RELIGIOUS DATA ARCHIVES. Secularization. Pennsylvania: The Association of Religion Data Archives, 1998. Available in: http://wiki.thearda.com/tcm/theories/secularization/. Access in: June 15, 2015.

VAUS, D.; MCALLISTER, I. Gender differences in religion: a test of the structural location theory. American Sociological Review, v. 52, n. 4, p. 472-481, Aug. 1987.

VOAS, D.; CROCKETT, A. Religion in Britain: neither believing nor belonging. Sociology, v. 39, n. 1, p. 11-28, 2005.

WILLIAMS, L. M.; LAWLER, M. G. Religious heterogamy and religiosity: a comparison of interchurch and same church individuals. Journal for the Scientific Study of Religion, v. 40, n. 3, p. 465-478, 2001.

Publicado
2019-10-14
Como Citar
Carvalho, C., & Irffi, G. (2019). Análise da secularização no Brasil. Revista Brasileira De Estudos De População, 36, 1-23. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0084
Seção
Artigos originais