Estimação indireta da mortalidade infantil em pequenas áreas

  • Ricardo Neupert Independent International Consultant
  • Rogelio Eduardo Fernandez Menjivar Universidad Nacional de Catamarca, Argentina CEDEPLAR, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil
  • Rogelio Eduardo Fernandez Castilla Universidad Nacional de Catamarca
Palavras-chave: Mortalidade infantil, Métodos indiretos, Censos, Pequenas áreas, Mianmar

Resumo

Métodos indiretos do tipo Brass para estimar a mortalidade nas primeiras idades da vida têm sido usados por mais de quatro décadas, fornecendo estimativas muito robustas para países que não possuem sistemas confiáveis de estatísticas vitais. No entanto, quando as áreas de estimativa são pequenas, o número de crianças mortas pode ser muito baixo, especialmente entre os nascidos de mulheres jovens, que fornecem informações essenciais para estimar a mortalidade recente. Nestes casos, as estimativas podem ser afetadas por erros aleatórios e flutuações anuais inesperadas. Ao mesmo tempo, embora seja muito improvável que as tendências demográficas em uma área pequena sigam padrões muito diferentes daqueles prevalecentes no ambiente mais amplo ao qual pertencem, é possível que certos eventos locais se tornem relevantes em pequenas áreas, causando alguns desvios de padrões que na área maior são válidos. O objetivo deste trabalho é propor uma adaptação da abordagem de estimativa indireta, que permita obter estimativas de mortalidade infantil e das crianças em pequenas áreas. Dessa forma, tal proposta pertence ao escopo dos métodos de estimativa indireta, compartilhando as limitações e vantagens que caracterizam essa metodologia de estimativa. O método é ilustrado com dados do Censo de População e Habitação de Myanmar, 2014. Os resultados indicam que o método proposto aqui fornece estimativas confiáveis e consistentes de mortalidade infantil, em comparação com os resultados do método original de Brass, mesmo em áreas muito pequenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogelio Eduardo Fernandez Menjivar, Universidad Nacional de Catamarca, Argentina CEDEPLAR, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil

M.Sc. Demography no CEDEPLAR, Universidade Federal de Minas Gerais.

Doctorando em Demografia, CEDEPLAR, Universidade Federal de Minas Gerais

Rogelio Eduardo Fernandez Castilla, Universidad Nacional de Catamarca

Ph.D. in Medical Demography, London School of Hygiene and Tropical Medicine, University of London.

Current Position: Profesor Titular, Facultad de Ciencias Economicas, Universidad Nacional de Catamarca, Argentina

Referências

BRASS, W. Uses of census or survey data for the estimation of vital rates. In: AFRICAN SEMINAR ON VITAL STATISTICS. Proceedings […]. Addis Ababa, 1964.

FEENEY, G. Child survivorship estimation: methods and data analysis. Asian and Pacific Population Forum, v. 5, n. 2-3, p. 51-87, 1991.

HILL, K. Indirect estimation of child mortality. In: MOULTRIE, T. A.; DORRINGTON, R. E.; HILL, A. G.; HILL, K.; TIMÆUS; I. M.; ZABA, B. (ed.). Tools for demographic estimation. Paris: International Union for the Scientific Study of Population, 2013. Available in: http://demographicestimation.iussp.org/content/indirect-estimation-child-mortality. Access in: 04 Dec. 2017.

KINTNER, H. J. The life table. In: SIEGEL, J.; SWANSON, D. (ed.). The methods and materials of demography. Elsevier Academic Press, 2004. p. 301-340.

MERCER, L. et al. Small area estimation of child mortality in the absence of vital registration. The Annals of Applied Statistics, v. 9, n. 4, p. 1889-1905, 2015.

MINISTRY OF IMMIGRATION AND POPULATION. Department of Population. The 2014 Myanmar Population and Housing Census, volumes 3-A to 3-O (volumes for regions/states). Department of Population, Nay Pyi Taw, Myanmar, 2015. Available in: http://www.dop.gov.mm/moip/index.php?route=product/category&path=54_52. Access in: 04 Dec. 2017.

PALLONI, A.; HELIGMAN, L. Re-estimation of structural parameters to obtain estimates of mortality in developing countries. Population Bulletin of the United Nations, n. 18, p. 10-33, 1985.

POPOFF, C.; JUDSON, D. H. Some methods of estimation for statistically underdeveloped areas. In: SIEGEL, J.; SWANSON, D. (ed.). The methods and materials of demography. Elsevier Academic Press, 2004. p. 603-640.

RAO, J. N. K. Some methods for small area estimation. Rivista Internazionale di Scienze Sociali, anno 116, n. 4, p. 387-406, 2008. Stable URL: http://www.jstor.org/stable/41625216. Access in: 04 Dec. 2017.

ROWLAND, D. Demographic methods and concepts. New, York: Oxford University Press, 2003.

SIAP – Statistical Institute for Asia and the Pacific. Estimation of demographic parameters from census data. London, UK: Institute for Asia and the Pacific, prepared by the Center of Population Studies, 1994.

SWANSON, D. A. Estimating the underlying infant mortality rates for small populations: a case study of counties in Estonia. Center for Studies in Demography & Ecology University of Washington and Department of Sociology University of California Riverside, 2015.

SWANSON, D. A.; KPOSOWA, A.; BAKER, J. Estimating the underlying infant mortality rates for small populations, including those reporting zero infant deaths: a case study of counties in California. Population Review, v. 58, n. 2, 2019.

STONER, O.; ECONOMOU, T.; SILVA, G. D. M da. A hierarchical framework for correcting under-reporting in count data. Journal of the American Statistical Association, p. 1-17, 2019. 10.1080/01621459.2019.1573732.

UNITED NATIONS. Manual X. Indirect techniques for demographic estimation. New York: United Nations, 1983.

UNPD – United Nations Population Division. MORTPAK for Windows (Version 4.3). New York: United Nations Population Division, 2013.

Publicado
2019-12-26
Como Citar
Neupert, R., Fernandez Menjivar, R. E., & Fernandez Castilla, R. E. (2019). Estimação indireta da mortalidade infantil em pequenas áreas. Revista Brasileira De Estudos De População, 36, 1-37. https://doi.org/10.20947/s0102-3098a0100
Seção
Artigos originais