Traçando o perfil dos commuters no Brasil

Palavras-chave: GoM, Comutação, Perfil

Resumo

O objetivo deste artigo é a construção de tipologias para os trabalhadores brasileiros, em especial, com relação ao tempo de deslocamento até o trabalho. A partir do método GoM (Grade of Membership), estabeleceram-se perfis puros e mistos de trabalhadores no mercado de trabalho brasileiro, com utilização dos dados das PNADs de 2009 e 2014. Três características básicas marcaram aqueles que gastam bastante tempo comutando: sexo masculino, residentes em áreas metropolitanas e em baixa posição socioeconômica. Analisando o extremo oposto, mulheres em baixa posição socioeconômica são mais presentes em perfis caracterizados por alta prevalência de trabalhadores que nada comutam. A distribuição espacial da população, como esperado, não se dá de forma aleatória. Resumindo, os mais pobres tendem a residir
longe do centro e o oposto para os indivíduos em melhor situação financeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Carlos Day Gama, Faculdades Ibmec

Luiz Carlos Day Gama é doutor em economia pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor titular I no Ibmec-MG.

André Braz Golgher, Cedeplar/UFMG

André Braz Golgher é doutor em Demografia pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor associado do Cedeplar e Face da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

BALTAR, Paulo. Crescimento da economia e mercado de trabalho no Brasil. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 2015. (Texto para Discussão, 2036).

BARROS, Ricardo Paes de et al. Inserção no mercado de trabalho: diferenças por sexo e conseqüências sobre o bem-estar. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 2001. (Texto para Discussão, n. 796).

BOJE, Amelie et al. Development perspectives for the City of Hamburg: migration, commuting, and specialization. Hamburg: Hamburg Institute of International Economics 2010 (HWWI Policy Papers, 1-23).

BRUECKNER, Jan K. Lectures on urban economics. Londres: MIT Press, 2011.

CAMAGNI, Roberto; GIBELLI, Maria Cristina; RIGAMONTI, Paolo. Urban mobility and urban form: the social and environmental costs of different patterns of urban expansion. Ecological Economics, v. 40, n. 2, p. 199-216, 2002.

CAMSTRA, Ronald. Household relocation and commuting distance in a gender perspective. Amsterdam, Netherlands: Universiteit van Amsterdam Postdoctorale Onderzoekersopleiding Demografie, Aug. 1994. (PDOD paper, n. 26).

CERQUEIRA, Cezar Augusto; SAWYER, Diana R. O. T. Tipologia dos estabelecimentos escolares brasileiros. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 24, n. 1, p. 53-67, 2007.

CERVERO, Robert; DUNCAN, Michael. Walking, bicycling, and urban landscapes: evidence from the San Francisco bay area. American Journal of Public Health, v. 93, n. 9, p. 1478-1483, 2003.

CLARK, William A. V.; HUANG, Youqin; WITHERS, Suzanne. Does commuting distance matter? Commuting tolerance and residential change. Regional Science and Urban Economics, v. 33, n. 2, p. 199-221, 2003.

DOUTHITT, Robin A. “Time to do the chores?” Factoring home-production needs into measures of poverty. Journal of Family and Economic Issues, v. 21, n. 1, p. 7-22, 2000.

DUBIN, Robin. Commuting patterns and firm decentralization. Land Economics, v. 67, n. 1, p. 15-29, 1991.

FERREIRA, Francisco H. G. et al. Os determinantes da desigualdade de renda no Brasil: luta de classes ou heterogeneidade educacional? Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Economia, 2000. (Texto para Discussão, n. 415).

FU, Shihe; VIARD, Brian. Commute costs and labor supply: evidence from a satellite campus. Munich: Munich Personal RePEc Archive, 2014. (MPRA Paper, n. 53740).

GUEDES, Gilvan R. et al. Identificabilidade e estabilidade dos parâmetros no método Grade of Membership (GoM): considerações metodológicas e práticas. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 27, n. 1, p. 21-33, jan./jun. 2010.

GIULIANO, Genevieve; SMALL, Kenneth A. Is the journey to work explained by urban structure? Urban Studies, v. 30, n. 9, p. 1485-1500, 1993.

GREENWALD, Michael; BOARNET, Marlon. Built environment as determinant of walking behavior: analyzing nonwork pedestrian travel in portland, oregon. Transportation Research Record: Journal of the Transportation Research Board, n. 1780, p. 33-41, 2001.

HAUSSMANN, Samantha; GOLGHER, André Braz. Shrinking gender wage gaps in the Brazilian labor market: an application of the apc approach. Nova Economia, v. 26, n. 2, p. 429-464, 2016.

HADDAD, Eduardo A.; VIEIRA, Renato S. Mobilidade, acessibilidade e produtividade: nota sobre a valoração econômica do tempo de viagem na região metropolitana de São Paulo. Revista de Economia Contemporânea, v. 19, n. 3, 2015.

HENRIQUES, Ricardo. Desigualdade racial no Brasil: evolução das condições de vida na década de 90. Brasília, Ipea, 2001. (Texto para Discussão, n.807).

HOFFMANN, Rodolfo; LEONE, Eugênia Troncoso. Participação da mulher no mercado de trabalho e desigualdade da renda domiciliar per capita no Brasil: 1981-2002. Nova Economia, v. 14, n. 2, 2009.

HYMEL, Kent. Does traffic congestion reduce employment growth? Journal of Urban Economics, v. 65, n. 2, p. 127-135, 2009.

IBGE. Síntese de Indicadores. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – 2007. Rio de Janeiro, 2008.

LEME, Maria Carolina da Silva; WAJNMAN, Simone. Tendências de coorte nos diferenciais de rendimentos por sexo. In: HENRIQUES, Ricardo (org.). Desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: Ipea, 2000. p. 251-270.

LEONE, Eugenia Troncoso; BALTAR, Paulo. Diferenças de rendimento do trabalho de homens e mulheres com educação superior nas metrópoles. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 23, n. 2, p. 355-367, 2006.

LEONE, Eugenia Troncoso; BALTAR, Paulo. A mulher na recuperação recente do mercado de trabalho brasileiro. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 25, n. 2, p. 233-249, 2008.

MADALOZZO, Regina. Occupational segregation and the gender wage gap in Brazil: an empirical analysis. Economia Aplicada, v. 14, n. 2, p. 147-168, 2010.

MADDEN, Janice Fanning. Why women work closer to home. Urban Studies, v. 18, n. 2, p. 181-194, 1981.

MANTON, Kenneth G.; TOLLEY, H. Dennis; WOODBURY, Max A. Statistical applications using fuzzy sets. New York: [s.n.], 1994.

MELO, Frederico L. B. Trajetórias no mercado de trabalho: perfis socioocupacionais de indivíduos e casais da Grande São Paulo. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

PEREIRA, Rafael Henrique Moraes; SCHWANEN, Tim. Tempo de deslocamento casa-trabalho no Brasil (1992-2009): diferenças entre regiões metropolitanas, níveis de renda e sexo. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 2013. (Texto para Discussão, 1813).

ROUWENDAL, Jan; RIETVELD, Piet. Changes in commuting distances of Dutch households. Urban Studies, v. 31, n. 9, p. 1545-1557, 1994.

SAWYER, Diana Oya; LEITE, Iuri da Costa; ALEXANDRINO, Ricardo. Perfis de utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 7, n. 4, p. 757-776, 2002.

SEPLAKI, Christopher; SMITH, Maureen; SINGER, Burton. Variation in living environments among community-dwelling elders. Princeton, NJ: Princeton University, Woodrow Wilson School of Public and International Affairs, Office of Population Research 2004. (Working Papers, 294).

SHEARMUR, Richard. Travel from home: an economic geography of commuting distances in montreal. Urban Geography, v. 27, n. 4, p. 330-359, 2006.

SOARES, Cristiane; SABÓIA, Ana L. Tempo, trabalho e afazeres domésticos: um estudo com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2001 e 2005. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais, 2007.

STUTZER, Alois; FREY, Bruno S. Stress that doesn’t pay: the commuting paradox. The Scandinavian Journal of Economics, v. 110, n. 2, p. 339-366, 2008.

TERRELL, George R.; SCOTT, David W. Oversmoothed nonparametric density estimates. Journal of the American Statistical Association, v. 80, n. 389, p. 209-214, 1985.

TOLLEY, H. Dennis; MANTON, Kenneth G. Large sample properties of estimates of a discrete grade of membership model. Annals of the Institute of Statistical Mathematics, v. 44, n. 1, p. 85-95, 1992.

VAN OMMEREN, Jos N.; GUTIÉRREZ-I-PUIGARNAU, Eva. Are workers with a long commute less productive? An empirical analysis of absenteeism. Regional Science and Urban Economics, v. 41, n. 1, p. 1-8, 2011.

VIANNA, Guilherme S. B.; YOUNG, Carlos Eduardo F. Em busca do tempo perdido: uma estimativa do produto perdido em trânsito no Brasil. Revista de Economia Contemporânea, v. 19, n. 3, p. 403-416, 2015.

WHITE, Michelle J. Sex differences in urban commuting patterns. The American Economic Review, v. 76, n. 2, p. 368-372, 1986.

WOODBURY, Max A.; MANTON, Kenneth G.; TOLLEY, H. Dennis. A general model for statistical analysis using fuzzy sets: sufficient conditions for identifiability and statistical properties. Information Sciences-Applications, v. 1, n. 3, p. 149-180, 1994.

WYLY, Elvin K. Containment and mismatch: gender differences in commuting in metropolitan labor markets. Urban Geography, v. 19, n. 5, p. 395-430, 1998.

Publicado
2020-03-31
Como Citar
Gama, L. C. D., & Braz Golgher, A. (2020). Traçando o perfil dos commuters no Brasil. Revista Brasileira De Estudos De População, 37, 1-25. https://doi.org/10.20947/s0102-3098a0106
Seção
Artigos originais