Estimativa do estoque da população apta a demandar por educação de jovens e adultos no Estado de São Paulo em 1995 e 2015

Palavras-chave: Estado de São Paulo, Políticas Públicas de Educação, EJA, PNAD, Profluxo

Resumo

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional estabelece que é dever da Federação recensear anualmente não apenas crianças e adolescentes em idade escolar, mas também os jovens e adultos que não concluíram a educação básica. O objetivo deste estudo é mensurar o estoque de jovens e adultos (15 a 64 anos) com educação básica incompleta no Estado de São Paulo e estimar a demanda por nível de ensino se todos eles retornassem aos bancos escolares. A metodologia fundamenta-se em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 1995 e 2015 e na aplicação do modelo Profluxo. Os resultados indicam que os principais gargalos do sistema estão na passagem de um ciclo educacional para outro. A demanda por Educação de Jovens e Adultos (EJA) persiste, especialmente nos primeiros anos de cada ciclo da educação básica, ainda que em menor volume em 2015 se comparado a 1995.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Vitor Longo, Unicamp

Flávia Vitor Longo é demógrafa, doutora em demografia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Joice Melo Vieira, NEPO/Unicamp

Joice Melo Vieira é demógrafa, doutora em demografia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Pesquisadora do Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó” e professora do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, ambos da Unicamp.

Referências

ALHEIT, P.; DAUSIEN, B. Processo de formação e aprendizagens ao longo da vida. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 177-197, 2006.

BERCOVICH, A.; MADEIRA, F. Descontinuidades demográficas no Brasil e no Estado de São Paulo. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 7., 1990, Caxambu, MG. Anais [...]. Belo Horizonte: Abep, v. 2, 1990.

BLOSSFELD, H-P et al. (ed.). Adult learning in modern societies: an international comparison from a life-course perspective. [S.l.]: Edward Elgar Publishing, 2014.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 9394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n. 1, de 5 de julho de 2000. Estabelece as diretrizes curriculares nacionais para educação de jovens e adultos. Brasília, 2000.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Brasília, 2013.

CAMARANO, A. A. Living longer: are we getting older or younger for longer? Vibrant Virtual Brazilian Anthropology, Brasília, v. 13, n. 1, p. 155-175, 2016.

CAMARANO, A. A. et al. Do nascimento à morte: principais transições. In: CAMARANO, A. A. (org.). Transição para a vida adulta ou vida adulta em transição? Rio de Janeiro: Ipea, 2006.

CASSIO, F. L.; CROCHIK, L.; PIERRO, M. C.; STOCO, S. Demanda social, planejamento e direito à educação básica: uma análise da rede estadual de ensino paulista na transição 2015-2016. Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, n. 137, p. 1089-1119, 2016.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

CHAMBOREDON, J. C. Adolescence et post-adolescence: la “juvénisation”. Remarques sur les transformations recentes des limites et de la définition sociale de la jeunesse. In: ALLEÓN, A. M.; MORVAN, O.; LEBOVICI, S. Adolescence terminée, adolescence interminable. Paris: PUF, 1985. p. 13-28.

CORTI, A. P. O. À deriva: um estudo sobre a expansão do ensino médio no estado de São Paulo (1991-2003). 2015. 300f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

DEBERT, G. G. Velhice e o curso da vida pós-moderno. Revista USP, n. 42, p. 70-83, 1999.

FLETCHER, P.; RIBEIRO, S. C. Modeling education system performance with demographic data: in introduction to the Profluxo Model. Paris: Unesco, 1989.

FRITH, U. Neuroscience: implications for education and lifelong learning. Integrating Science and Practice, v. 3, n. 1, p. 7-10, 2013.

GOLGHER, A. B. Modelo Profluxo e indicadores derivados. In: RIOS-NETO, E. L. G.; RIANI, J. L. R. (org.). Introdução à demografia da educação. Rio de Janeiro: Abep, 2004. p. 159-208.

GRACIANO, M.; LUGLI, R. G. Educação de jovens e adultos na diversidade e inclusão: algumas reflexões. In: GRACIANO, M.; LUGLI, R. G. (org.). Direitos, diversidade, práticas e experiências educativas na educação de jovens e adultos. São Paulo: Alameda, 2017.

HARGREAVES, A. O ensino na sociedade do conhecimento: a educação na era da insegurança. Porto: Porto Editora, 2003.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: n. 26 – São Paulo e Região Metropolitana de São Paulo. Rio de Janeiro, v. 17, 1995.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: notas metodológicas. Rio de Janeiro, 2015a.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese de indicadores 2015. Rio de Janeiro, 2015b.

INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Dicionário de indicadores educacionais. Formas de cálculo. Brasília, 2004.

IRELAND, T. D. Educação de jovens e adultos como política pública no Brasil (2004-2010): os desafios da desigualdade e da diversidade. Rizoma Freiriano, n. 13, 2012.

IRELAND, T. D. Educação ao longo da vida: aprendendo a viver melhor. Sisyphus – Journal of Education, v. 7, n. 2, p. 48-64, 2019.

MACMILLAN, R. The structure of the life course: classic issues and current controversies. Advances in Life Course Research, New York, v. 9, p. 3-24, 2005.

MACHADO, M. M. A educação de jovens e adultos no Brasil pós-Lei n. 9394/96: a possibilidade de constituir-se como política pública. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 82, p. 17-39, 2009.

MORAES, C. S. V. Educação de jovens e adultos trabalhadores de qualidade: regime de colaboração e sistema nacional de educação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 34, n. 124, p. 979-1001, 2013.

MOTTA, A. B. Gênero, família e fases do ciclo de vida. Caderno CRH, Salvador, n. 29, p. 13-20, 1998.

PANTOJO, B.; SALOMÃO, L. A.; CASTRO, M. N. P.; MARTINS, M.; BATISTA FILHO, O. N. Escolas estaduais com uma única etapa de atendimento e seus reflexos no desempenho dos alunos. São Paulo: Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional (Cima)/SEE-SP, agosto 2015.

PIERRO, M. C. A educação de jovens e adultos no plano nacional de educação: avaliação, desafios e perspectivas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 112, p. 939-959, 2010.

PIERRO, M. C.; HADDAD, S. Transformações nas políticas de educação de jovens e adultos no Brasil no início do terceiro milênio: uma análise das agendas nacional e internacional. Cadernos Cedes, Campinas, v. 35, n. 96, p. 197-217, 2015.

PIERRO, M. C. (org.); KUHN, A.; CRUZ, B. M.; TSUCHIYA, B. K.; BATISTÃO, M. B. Um estudo sobre centros públicos de educação de jovens e adultos no estado de São Paulo. São Paulo: Feusp, Fapesp, 2017.

PIERRO, M. C.; CATELLI JR., R. A construção dos direitos dos jovens e adultos à educação na história brasileira recente. In: GRACIANO, M.; LUGLI, R. G. (org.). Direitos, diversidade, práticas e experiências educativas na educação de jovens e adultos. São Paulo: Alameda, 2017.

SEADE – Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Levantamento sobre a evolução das matrículas no ensino básico estadual. São Paulo, 2015.

SÃO PAULO (Estado). Decreto n. 61.672 de 30 de novembro de 2015. Disciplina a transferência dos integrantes dos Quadros de Pessoal da Secretaria da Educação e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, v. 125, n. 222, 2015.

SHEEHY, G. Prologue: oh, pioneers! In: SHEEHY, G. New passages: mapping your life across time. New York: New Ballantine Book, 1995. p. 3-22.

THONSTAD, T. Analysing and projecting school enrolment in developing countries: a manual of methodology. Paris: Unesco, 1980. (Statistical Reports and Studies, n. 24).

Publicado
2021-02-17
Como Citar
Vitor Longo, F., & Melo Vieira, J. (2021). Estimativa do estoque da população apta a demandar por educação de jovens e adultos no Estado de São Paulo em 1995 e 2015 . Revista Brasileira De Estudos De População, 38, 1-19. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0135
Seção
Artigos originais