Invertendo o enfoque das “crises migratórias” para as “migrações de crise”: uma revisão conceitual no campo das migrações

Palavras-chave: Migrações de crise, Imobilidade, Crise migratória, Crise humanitária, Crise ambiental

Resumo

O presente artigo se propõe a debater um novo conceito no campo de estudos migratórios – as migrações de crise –, o qual traz à luz os processos, motivos e fatores vivenciados por populações afetadas por crises e que podem contribuir para processos migratórios de indivíduos, famílias e comunidades como um todo. Introduzindo diversas categorias correlatas – como a eventualidade, a imobilidade (ou enclausuramento) e a não escolha –, adota-se um direcionamento metodológico e conceitual que aponta para as crises como propulsoras das migrações. Dessa maneira, busca-se tensionar a ideia de que as migrações geram crises aos Estados-nação receptores de movimentos significativos de pessoas – a qual notavelmente se consolida pela
disseminação do termo “crise migratória”, em especial, nos discursos políticos e midiáticos correntes. A delimitação do novo conceito proposto e da sua metodologia de estudo pautou-se pela revisão bibliográfica da literatura especializada na área, com foco em pesquisas recentes sobre as migrações de crise e suas implicações tanto na esfera local como na internacional. Ao final do texto, levantamos os desafios e as contribuições de tal conceito, envolvendo debates centrais no campo das migrações, inobstante questões teórico-metodológicas ainda não suficientemente superadas dentro deste.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Bertino Moreira, Universidade Federal do ABC

Julia Bertino Moreiraé doutora em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Professora do Bacharelado de Relações Internacionais, dos Programas de Pós-Graduação em Relações Internacionais e em Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal do ABC (UFABC), vinculada à Cátedra Sérgio Vieira de Mello da mesma universidade. Líder do Grupo de Pesquisa Migref cadastrado no CNPq.

Janine e Hadassa Oliveira Marques de Borba, Institut Sciences-Po Strasbourg

Janine Hadassa Oliveira Marques de Borba é mestre em Relações Internacionais pelo Institut Sciences-Po Strasbourg (França) e graduada em Relações Internacionais pela Universidade Federal do ABC (UFABC). Participante do Grupo de Pesquisa Migref.

Referências

ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Coletânea de instrumentos de proteção nacional e internacional de refugiados e apátridas. [S.l.] 2015. Disponível em: http://www.acnur.org/t3/fileadmin/scripts/doc.php?file=t3/fileadmin/Documentos/portugues/Publicacoes/2012/Lei_947_97_e_Coletanea_de_Instrumentos_de_Protecao_Internacional_de_Refugiados_e_Apatridas. Acesso em: 5 abr. 2020.

ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Convention Plus. [S.l.] 2005. Disponível em: https://www.unhcr.org/convention-plus.html. Acesso em: 5 abr. 2020.

ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Desperate journeys: refugees and migrants arriving in Europe and at Europe border’s. [S.l.] 2018. Disponível em: https://www. unhcr.org/desperatejourneys/. Acesso em: 5 abr. 2020.

ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Emergencies. [S.l.] 2020. Disponível em: https://www.unhcr.org/emergencies.html. Acesso em: 5 abr. 2020.

ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Global trends: forced displacement in 2018. [S.l.] 2019. Disponível em: https://www.unhcr.org/5d08d7ee7.pdf. Acesso em: 5 abr. 2020.

ARENDT, H. As origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BAENINGER, R.; PERES, R. G. Migração de crise: a migração haitiana para o Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 34, n. 1, p. 119-143, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-30982017000100119&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 5 abr. 2020.

BETTS, A. Survival migration: failed governance and the crisis of displacement. Ithaca: Cornell University Press, 2013.

BETTS, A. The global governance of crisis migration. Forced Migration Review, n. 45, p. 76-69, 2014. Disponível em: www.fmreview.org/crisis/betts. Acesso em: 5 abr. 2020.

BLACK, R.; COLLYER, M. Populations ‘trapped’ at times of crisis. Forced Migration Review, n. 45, p. 52-55, 2014. Disponível em: www.fmreview.org/crisis/black-collyer. Acesso em: 5 abr. 2020.

CASTLES, S.; HAAS, H. de; MILLER, M. The age of migration: international population movements in the modern world. New York: Palgrave MacMillan, 2014.

CHIMNI, B. S. The global refugee crisis: towards a just response. Bonn: Stiftung Entwicklung und Frieden/Development and Peace Foundation, 2018. (Global Trends Analysis). Disponível em: https://www.sef-bonn.org/fileadmin/SEF-Dateiliste/04_Publikationen/GT-A/2018/GT-A_2018-03_en.pdf. Acesso em: 5 abr. 2020.

CLOCHARD, O. Les réfugiés dans le monde entre protection et illegalité. EchoGéo, v. 2, p. 1-10, 2007. Disponível em: https://journals.openedition.org/echogeo/1696. Acesso em: 5 abr. 2020.

COHEN, R. Lessons from the development of the Guiding Principles on Internal Displacement. Forced Migration Review, n. 45, p. 12-14, 2014. Disponível em: www.fmreview.org/crisis/cohen. Acesso em: 5 abr. 2020.

CORREA, M. A. S. et al. Migração por sobrevivência: soluções brasileiras. REMHU, v. XXIII, n. 44, p. 221-236, 2015.

DE HAAS, H. Migrantion and development: a theoretical perspective. International Migration Review, v. 44, n. 1, p. 227-264, 2010.

GLICK-SCHILLER, N.; BASCH, L.; SZANTON-BLANC, C. From immigrant to transmigrant: theorizing transnational migration. Anthropological Quarterly, v. 68, n. 1, p. 48-63, 1995.

GLICK-SCHILLER, N.; BASCH, L.; SZANTON-BLANC, C. (ed.). Towards a transnational perspective on migration: race, class, ethnicity and nationalism reconsidered. New York: The New York Academy of Sciences, 1992.

FELDMAN-BIANCO, B. O Brasil frente ao regime global do controle das migrações: direitos humanos, securitização e violências. Travessia – Revista do Migrante, v. XXXI, n. 83, p. 11-36, 2018.

GUILMOTO, C. Z.; SANDRON, F. The internal dynamics of migration networks in developing countries. Population: an English Selection, v. 13, n. 2, p. 135-164, 2001.

JUBILUT, L. L. Direito internacional dos refugiados e o ordenamento jurídico brasileiro. São Paulo: Ed. Método, 2007.

JUBILUT, L. L.; RAMOS, E. P.; CLARO, C. de A. B.; CAVEDON-CAPDEVILLE, F. de S. (ed.). Refugiados ambientais. Roraima: Editora UFRR, 2018. Disponível em: ufrr.br/editora/index.php/editais?download=401:refugiados-ambientais. Acesso em: 5 abr. 2020.

KRITZ, M.; LIM, L. L.; ZLOTNIK, H. International migration systems: a global approach. Oxford: Clarendon Press, 1992.

MARTIN, S.; WEERASINGHE, S.; TAYLOR, A. (ed.). Humanitarian crises and migration: causes, consequences and responses. New York: Routledge, 2014.

MARTIN, S.; WEERASINGHE, S.; TAYLOR, A. What is crisis migration? Forced Migration Review, n. 45, p. 5-9, 2014. Disponível em: www.fmreview.org/crisis/martin-weerasinghe-taylor. Acesso em: 5 abr. 2020.

MASSEY, D. et al. Theories of international migration: a review and appraisal. Population and Development Review, v. 19, n. 3, p. 431-466, 1993.

MCADAM, J. The concept of crisis migration. Forced Migration Review, n. 45, p. 10-11, 2014. Disponível em: www.fmreview.org/crisis/mcadam. Acesso em: 5 abr. 2020.

MIGRAMUNDO. Crise migratória e crise de refugiados: termos xenofóbicos a serem combatidos. [S.l.] 2017. Disponível em: https://migramundo.com/crise-migratoria-e-crise-de-refugiadostermos-xenofobos-a-serem-combatidos/. Acesso em: 5 abr. 2020.

MOREIRA, J. B. Política em relação aos refugiados no Brasil (1947-2010). Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, 2012.

OIM – Organização Internacional das Migrações. World migration report 2018. Geneva, 2018. Disponível em: https://www.iom.int/sites/default/files/country/docs/china/r5_world_migration_report_2018_en.pdf. Acesso em: 5 abr. 2020.

REIS, R. R. Migrações: casos norte-americano e francês. Estudos Avançados, v. 20, n. 57, p. 59-74, 2006.

SAMADDAR, R. Human migration as crisis of Europe. Alternatives: International Journal, 2016. Disponível em: https://www.alterinter.org/?Human-Migration-as-Crisis-of-Europe. Acesso em: 5 abr. 2020.

SASSEN, S. Sociologia da globalização. Porto Alegre: Editora Artmed, 2010.

SASSEN, S. Três migrações emergentes: uma mudança histórica. SUR – Revista Internacional de Direitos Humanos, v. 13, n. 23, p. 29-42, 2016.

SILVA, J. C. J.; ABRAHÃO, B. A. Migração pela sobrevivência: o caso dos venezuelanos em Roraima. In: JUBILUT, L. et al. (org.). Migrantes forçad@s: conceitos e contextos. Roraima: Ed. UFRR, 2018. p. 636-661.

TRUZZI, O. Redes em processos migratórios. Tempo Social, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 200-218, 2008.

VAN HEAR, N.; BRUBAKER, R.; BESSA, T. Managing mobility for human development: the growing silence of mixed migration. Human Development Reports. United Nations Development Programme, 2009. Disponível em: http://hdr.undp.org/en/content/managing-mobility-humandevelopment. Acesso em: 5 abr. 2020.

VENTURA, D. Migrar é um direito. Economia Colaborativa, n. 236, 2016. Disponível em: https://www.sescsp.org.br/online/artigo/9732_NOVAS+MIGRACOES. Acesso em 5 abr. 2020.

WALLERSTEIN, I. The inter-state structure of the modern world-system. In: SMITH, S.; BOOTH, K.; ZALEWSKI, M. (ed.). International theory: positivism and beyond. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. p. 87-107.

Publicado
2021-03-23
Como Citar
Bertino Moreira, J., & e Hadassa Oliveira Marques de Borba, J. (2021). Invertendo o enfoque das “crises migratórias” para as “migrações de crise”: uma revisão conceitual no campo das migrações. Revista Brasileira De Estudos De População, 38, 1-20. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0137
Seção
Artigos de revisão