A letalidade dos acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras

Palavras-chave: Acidentes de trânsito; Letalidade; Análise de regressão

Resumo

A preocupação com a mortalidade por acidentes de trânsito tem crescido em todo o mundo, sendo um importante problema de saúde pública e a principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos de idade (WHO, 2015). No Brasil, em 2016, aproximadamente 37 mil pessoas morreram em decorrência de acidentes de trânsito, das quais 6.400 (17%) vieram a óbito após ocorrências em rodovias federais. Tendo em vista a relevância dessas mortes, o objetivo do presente artigo é identificar os fatores associados à letalidade dos acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras em 2016, considerando, além das características das vítimas, informações sobre o contexto de ocorrência desses eventos. Para tal finalidade, foi utilizado um modelo binomial de regressão logística. Os resultados indicam que, em média, as chances de um acidente de
trânsito ser letal aumentam para indivíduos do sexo masculino, pedestres, com ocorrências na região Nordeste, aos domingos, durante a madrugada, nas curvas, nas áreas rurais e para vítimas com idades mais elevadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilvan Teles Barroso Junior, ENCE/IBGE

Mestre em População, Território e Estatísticas Públicas pela Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) do IBGE.

Ana Carolina Soares Bertho, ENCE/IBGE

Doutora em Demografia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Pesquisadora e professora da Pós-Graduação em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) do IBGE.

Alinne de Carvalho Veiga, ENCE/IBGE

Doutora em Estatística Social pela Universidade de Southampton. Pesquisadora e professora da Pós-Graduação em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) do IBGE.

Referências

ANDRADE, S. M.; MELLO JORGE, M. H. P. Características das vítimas por acidentes de transporte terrestre em município da Região Sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 34, n. 2, p. 149-156, 2000. Disponível em: http://www.journals.usp.br/rsp/article/view/24997. Acesso em: 10 maio 2017.

ABREU, A. M. M. et al. Uso de álcool em vítimas de acidentes de trânsito: estudo do nível de alcoolemia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 18, n. especial, p. 513-520, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18nspe/a05v18nspe. Acesso em: 08 nov. 2017.

BACCHIERI, G.; BARROS, A. J. D. Acidentes de trânsito no Brasil de 1998 a 2010: muitas mudanças e poucos resultados. Revista de Saúde Pública, v. 45, n. 5, p. 949-63, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v45n5/2981. Acesso em: 10 dez. 2018.

BARROS, A. J. D. et al. Acidentes de trânsito com vítimas: sub-registro, caracterização e letalidade. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, n. 4, p. 979-986, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v19n4/16848.pdf. Acesso em: 17 maio 2017.

BECK, L. F.; DELLINGER, A. M.; O'NEIL, M. E. Motor vehicle crash injury rates by mode of travel United States: using exposure-based methods to quantify differences. American Journal of Epidemiology, v. 166, n. 2, p. 212-218, 2007. Disponível em: https://academic.oup.com/aje/article/166/2/212/98784/Motor-Vehicle-Crash-Injury-Rates-by-Mode-of-Travel. Acesso em: 23 out. 2016.

BLAIZOT, S. et al. Injury incidence rates of cyclists compared to pedestrians, car occupants and powered two-wheeler riders, using a medical registry and mobility data, Rhône County, France. Accident Analysis & Prevention, v. 58, p. 35-45, 2013. Disponível em: http://www.sciencedirect. com/science/article/pii/S0001457513001619. Acesso em: 23 out. 2016.

BRASIL. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras: caracterização, tendências e custos para a sociedade. Brasília, 2015a. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=26277. Acesso em: 23 out. 2016.

_________. Polícia Rodoviária Federal. Manual de Atendimento de Acidentes de Trânsito. Brasília, 2015b. Disponível em: http://www.consultaesic.cgu.gov.br/busca/dados/Lists/Pedido/Attachments/432155/RESPOSTA_PEDIDO_MPO%20015%20-%20Atendimento%20de%20Acidentes.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2017.

CABRAL, A. P. S.; SOUZA, W. V.; LIMA, M. L. C. Serviço de atendimento móvel de urgência: um observatório dos acidentes de transportes terrestre em nível local. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 14, n. 1, p. 3-14, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/is_digital/is_0211/pdfs/IS31(2)034.pdf. Acesso em: 17 maio 2017.

DARMA, Y.; KARIM, M. R.; ABDULLAH, S. An analysis of Malaysia road traffic death distribution by road environment. Sadhana – Academy Proceedings in Engineerig Sciences, v. 42, n. 9, p.1605-1615, 2017. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-85023770460&doi=10.1007%2fs12046-017-0694-9&partnerID=40&md5=7523a12e0606881bc4c4f4f5444f23f6. Acesso em: 24 abr. 2019.

DESLANDES, S. F.; SILVA, C. M. F. P. Análise da morbidade hospitalar por acidentes de trânsito em hospitais públicos do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 34, n. 4, p. 367-372, 2000. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0034-89102000000400009&script=sci_arttext&tlng=. Acesso em: 10 mar. 2018.

FARIA, E. O.; BRAGA, M. G. C. Proposals for controlling traffic accident risks for children and adolescents. Ciência & Saúde Coletiva, v. 4, n. 1, p. 95-107, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81231999000100008&script=sci_arttext&tlng=es. Acessoem: 19 fev. 2018.

GANNE, N. Estudo sobre acidentes de trânsito envolvendo motocicletas na cidade de Corumbá e região, Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil, no ano de 2007. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 1, n. 3, p. 19-24, 2010. Disponível em: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-62232010000300003. Acesso em: 06 out. 2016.

HOSMER, D. W.; LEMESHOW, S. A goodness-of-fit test for the multiple logistic regression model. Communications in Statistics – Theory and Methods, v. 9, n. 10, p. 1043-1069, 1980.

KONG, C.; YANG, J. Logistic regression analysis of pedestrian casualty risk in passenger vehicle collisions in China. Accident Analysis and Prevention, v. 42, n. 4, p.987-993, 2010. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0001457509003078?via%3Dihub. Acesso em: 10 dez. 2018.

LEGAY, L. F. et al. Acidentes de transporte envolvendo motocicletas: perfil epidemiológico das vítimas de três capitais de estados brasileiros, 2007. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 21, n. 2, p. 283-292, 2012. Disponível em: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?pid=S1679-49742012000200011&script=sci_abstract. Acesso em: 06 out. 2016.

LIMA, I. M. O. et al. Fatores condicionantes da gravidade dos acidentes de trânsito nas rodovias brasileiras. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2008 (Texto para Discussão, n. 1344). Disponível em https://www.econstor.eu/handle/10419/91363. Acesso em: 11 maio 2017.

LIMA, L. C.; CRUZ JUNIOR, V. S. Estudo dos acidentes de trânsito no Brasil à luz da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. In: XX ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. Anais [...]. Foz do Iguaçu, Paraná: Abep, 2016.

MALTA, D. C. et al. Análise das ocorrências das lesões no trânsito e fatores relacionados segundo resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Brasil, 2008. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 9, p. 3679-87, 2011. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1413-81232011001000005&script=sci_abstract&tlng=es. Acesso em: 13 out. 2016.

MARÍN-LEÓN, L. et al. Tendência dos acidentes de trânsito em Campinas. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 1, p. 39-51. jan. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v28n1/05. Acesso em: 26 de mar. 2017.

MASSIE, D. L.; CAMPBELL, K. L.; WILLIAMS, A. F. Traffic accident involvement rates by driver age and gender. Accident Analysis and Prevention, v. 27, n. 1, p. 73-87, 1995.

MELLO JORGE, M. H. P. Acidentes de trânsito no Brasil: um atlas de sua distribuição. 2. ed. São Paulo: Abramet, 2013.

MORAIS, M. R. et al. Letalidade do acidente de trânsito na modernista Palmas/TO: uma abordagem econométrica. Informe Gepec, v. 18, n. 1, p. 156-176, 2014. Disponível em: http://erevista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/7784. Acesso em 02 fev. 2018.

OLIVEIRA, N. L. B.; SOUSA, R. M. C. Fatores associados ao óbito de motociclistas nas ocorrências de trânsito. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 46, n. 6, p. 1379-1386, 2012. Disponível em: http://www.journals.usp.br/reeusp/article/view/52826. Acesso em: 04 abr. 2017.

OLIVEIRA, Z. C.; MOTA, E. L. A.; COSTA, M. C. N. Evolução dos acidentes de trânsito em um grande centro urbano, 1991-2000. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 2, p. 364-372, 2008. Disponível em: http://ref.scielo.org/h356wn. Acesso em: 19 fev. 2018.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD (OMS). Accidentes del tráfico en los países en desarrollo. Série de Informes Técnicos 703. Ginebra: OMS, 1984.

PAIXÃO, L. M. M. M. et al. Óbitos no trânsito urbano: qualificação da informação e caracterização de grupos vulneráveis. Cadernos de Saúde Pública, v. 31, sup., p. S1-S15, 2015. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/csp/v31s1/pt_0102-311X-csp-31-s1-0092.pdf. Acesso em: 10 dez. 2018.

PALMEIRA, G. Epidemiologia. In: ROZENFELD, S. (org.). Fundamentos da vigilância sanitária [online]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2000, p. 135-194. ISBN 978-85-7541-325-8. Disponível em: http://books.scielo.org/id/d63fk/pdf/rozenfeld-9788575413258.pdf. Acesso em: 10 dez. 2018.

RAKAUSKAS, M. E.; WARD, N. J.; GERBERICH, S. G. Identification of differences between rural and urban safety cultures. Accident Analysis & Prevention, v. 41, n. 5, p. 931-937, 2009. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0001457509001092. Acesso em: 26 abr. 2019.

SANTAMARIÑA-RUBIO, E. et al. Gender differences in road traffic injury rate using time travelled as a measure of exposure. Accident Analysis & Prevention, v. 65, p. 1-7, 2014. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0001457513004776. Acesso em: 03 abr. 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Global status report on road safety 2015. Geneva: WHO, 2015. Disponível em: http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2015/Summary_GSRRS2015_POR.pdf?ua=1. Acesso em: 06 out. 2016.

ZWERLING, C. et al. Fatal motor vehicle crashes in rural and urban areas: decomposing rates into contributing factors. Injury Prevention, v. 11, n. 1, p. 24-28, 2005.

Publicado
2019-07-16
Como Citar
Barroso Junior, G. T., Bertho, A. C. S., & Veiga, A. de C. (2019). A letalidade dos acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras. Revista Brasileira De Estudos De População, 36, 1-22. https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0074
Seção
Artigos originais