Fluidez racial na Região Metropolitana de Belo Horizonte: características individuais e contexto local na construção da raça

Palavras-chave: Autoidentificação racial. Heteroclassificação racial. Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Resumo

O artigo discute como variáveis individuais e características do local de moradia influenciam a heteroclassificação e suas diferenças com a autoclassificação racial, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A análise busca compreender a construção social da raça e sua fluidez na sociedade, uma vez que as classificações refletem formas de vivências e interpretações da raça. Os dados utilizados são do BH Area Survey (2005), do Censo Demográfico (2010) e do Atlas do Desenvolvimento Humano (2013), por meio de modelos de regressão logística. Os resultados apontam que a heteroclassificação é influenciada por características individuais e contextuais. Para aqueles que se autoidentificam brancos, a escolaridade, a renda e a distribuição racial local se associam às chances de serem heteroclassificados como brancos, ao passo que para os autoidentificados negros, apenas a escolaridade aumenta as chances de sua heteroclassificação ser branca. Dessa forma, sustenta-se que há fluidez racial na Região Metropolitana de Belo Horizonte, no sentido de que a classificação é influenciada pelas características socioeconômicas e contextuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Souza Silveira, UFMG

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais

Maria Carolina Tomas, PUC Minas

Doutora em Sociologia e Demografia pela University of California, Berkeley. Professora adjunta do Departamento de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas).

Referências

BAILEY, S.; LOVEMAN, M.; MUNIZ, J. Measures of “race” and the analysis of racial inequality in Brazil. Social Sciences Research, v. 42, n. 1, p. 106-119, 2013.

CAMPBELL, M.; BRATTER, J.; ROTH, W. Measuring the diverging components of race: an introduction. American Behavioral Scientist, v. 60, n. 4, p. 381-289, 2016.

CARDOSO, F. H.; IANNI, O. Cor e mobilidade social em Florianópolis. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1960.

CARVALHO, J.; WOOD, C.; ANDRADE, F. Estimating the stability of Census-Based Racial/Ethnic classifications: the case of Brazil. Population Studies, London, v. 58, n. 3, p. 331-343, Nov. 2004.

COSTA PINTO, L. A. O negro no Rio de Janeiro: relações de raças numa sociedade em mudança. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1998.

COSTA RIBEIRO, C. Continuo racial, mobilidade social e “embranquecimento”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 95, 2017.

DEGLER, C. As raízes da diferença. In: DEGLER, C. Nem preto, nem branco: escravidão e relações raciais no Brasil e nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Editorial Labor do Brasil, 1976.

DOYLE, J.; KAO, G. Are racial identities of multiracial stable? Changing self-identification among and multiple race individuals. Social Psychology Quarterly, v. 70, n. 4, p. 405-423, 2007. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/20141804.

GUIMARÃES, A. S. A. The Brazilian system of racial classification. Ethnic and Racial Studies, v. 35, n. 7, p. 1157-1162, 2012.

HARRIS, M. Race relations in Minas Velhas, a community in the moutain region of central Brazil. In: WAGLEY, C. Race and class in rural Brazil. Paris: Unesco, 1952.

HARRIS, M. Racial identity in Brazil. Luso-Brazilian Review, v. 1, n. 2, p. 21-28, 1964.

HOLLOWAY, S. Identity, contingency and the urban geography of “race”. Social & Cultural Geography, v. 2, n. 1, p. 197-208, 2000. DOI: 10.1080/14649360020010202.

HOLLOWAY, S.; WRIGHT, R.; ELLIS, M.; EAST, M. Place, scale and the racial claims made for multiracial children in the 1990 US Census. Ethnic and Racial Studies, v. 32, n. 3, p. 522-547, 2009.

IGNATIEV, N. How Irish became white. New York: Routledge, 1995.

KHANNA, N. “If you’re half black, you’re just black”: reflected appraisals and the persistence of the one-drop rule. The Sociological Quarterly, v. 51, n. 1, p. 96-121, 2010.

LIGHT, M.; ICELAND, J. The social context of racial boundary negotiations: segregation, hate crime, and Hispanic identification in Metropolitan America. Sociological Science, v. 3, p. 61-84, 2016.

LOVEMAN, M.; MUNIZ, J. How Puerto Rico became white: boundary dynamics and intercensus racial reclassification. American Sociological Review, v. 72, n. 6, p. 915-939, 2017.

MAGGIE, Y. A ilusão do concreto: análise do sistema de classificação racial no Brasil. Tese para Concurso de Professor Titular. Rio de Janeiro: UFRJ, 1991.

MIRANDA, V. A resurgence of black identity in Brazil? Evidence from an analysis of recent censuses. Demographic Research, v. 32, n. 59, p. 1603-1630, 2015.

MIRANDA-RIBEIRO, P.; CAETANO, A. Como eu me vejo e como ela me vê: um estudo exploratório sobre a consistência das declarações de raça/cor entre as mulheres de 15 a 59 anos no Recife, 2002. Belo Horizonte: Cedeplar, Universidade Federal de Minas Gerais, 2005. (Texto para Discussão, n. 250).

MONK, E. Color, bodily capital, and ethnoracial division in the U.S. and Brazil. PhD Dissertation. Berkeley, CA: UC Berkeley, 2013.

MOWEN, T.; STANSFIELD, R. Probing change in a racial self-identification: a focus on children of immigrants. Sociology of Race and Ethnicity, v. 2, n. 3, p. 323-337, 2016.

MUNIZ, J. Preto no branco? Mensuração, relevância e concordância classificatória no país da incerteza racial. Dados, v. 55, n. 1, p. 251-282, 2012.

MUNIZ, J.; BASTOS, J. Classificatory volatility and (in)consistency of racial inequality. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, supl. 1, 2017.

NOGUEIRA, O. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem. In: BASTIDE, R. Relações raciais de negros e brancos em São Paulo. São Paulo: Ed. Anhembi Ltda., 1955.

ROTH, W. Racial mismatch: the divergence between form and function in data for monitoring racial discrimination of Hispanics. Social Sciences Quarterly, v. 91, n. 5, p. 1288-1311, Dec. 2010.

SAPERSTEIN, A. Capturing complexity in the United States: which aspects of race matter and when? Ethnic and Racial Studies, v. 35, n. 8, p. 1484-1502, 2012.

SAPERSTEIN, A.; PENNER, A. Racial fluidity and inequality in the United States. American Journal of Sociology, v. 118, n. 3, p. 676-727, Nov. 2012.

SCHWARTZMAN, L. Does money whitens? Intergenerational changes in racial classification in Brazil. American Sociological Review, v. 72, n. 6, p. 940-963, 2007.

SHERIFF, R. Dreaming equality: color, race and racism in urban Brazil. New Brunswick, NJ: Rutgers University Press, 2001.

SILVA, N. V. Nota sobre “raça social” no Brasil. In: HASENBALG, C.; SILVA, N. V.; LIMA, M. Cor e estratificação social. Rio de Janeiro: Contra Capa, 1999.

SILVA, N. White-non-white income differentials: Brazil. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade de Michigan, Ann Arbour, 1979.

SILVEIRA, L. S. Reclassificação racial e desigualdade: análise longitudinal de variações socieconômicas e regionais no Brasil entre 2008 e 2015. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

TELLES, E. Racial distance and region in Brazil: intermarriage and Brazilian urban areas. Latin American Research Review, v. 28, n. 2, p. 141-162, 1993.

TELLES, E.; LIM, N. Does it matter who answers the race question? Racial classification and income inequality in Brazil. Demography, v. 35, n. 4, p. 465-474, 1998.

TELLES, E. The overlapping concepts of race and colour in Latin America. Ethnic and Racial Studies, v. 35, n. 7, p. 1163-1168, 2012.

TELLES, E.; PASCHEL, T. Who is black, white and mixed race? How skin color, status and nation shape racial classification in Latin America. American Journal of Sociology, v. 120, n. 3, p. 864-907, 2014.

TOMÁS, M. C. Space and interracial marriage: how does the racial distribution of a local marriage market change the analysis of interracial marriage in Brazil? Revista Latinoamericana de Población, ano 11, n. 21, p. 113-140, 2017.

WRIGHT, R.; HOUSTON, S.; ELLIS, M.; HOLLOWAY, S.; HUDSON, M. Crossing racial lines: geographies of mixed-race partnering and multiraciality in the United States. Progress in Human Geography, v. 27, n. 4, p. 457-474, 2003.

Publicado
2019-10-02
Como Citar
Silveira, L. S., & Tomas, M. C. (2019). Fluidez racial na Região Metropolitana de Belo Horizonte: características individuais e contexto local na construção da raça. Revista Brasileira De Estudos De População, 36, 1-22. https://doi.org/10.20947/s0102-3098a0081
Seção
Artigos originais