O mix contraceptivo eternamente obsoleto no Brasil e seu legado.

  • Suzana Cavenaghi Pesquisadora independente
  • José Eustáquio Diniz Alves Pesquisador independente
Palavras-chave: Anticoncepção, Planejamento familiar, Brasil, Comportamento reprodutivo

Resumo

A transição da fecundidade ocorreu de maneira rápida no Brasil na ausência de programas de planejamento familiar e, mais impressionante, em um contexto de ilegalidade na provisão dos meios para a autorregulação da fecundidade. Esses eventos não ocorreram sem consequências. Com base na literatura e nos fatos registrados durante esse período, o artigo discute, primeiro, como a resistência à implementação de programas de planejamento familiar nas décadas de 1960 a 1980 contribuiu para o mix contraceptivo obsoleto, já nos anos 1990. Em segundo lugar, abordando os problemas em torno da coleta de dados de contracepção na Pesquisa Nacional de Saúde e fazendo um ajuste nos dados, são analisadas as tendências na prevalência contraceptiva de 1986 a 2013, mostrando que o mix de métodos continua muito concentrado nos mesmos dois métodos, um regime ainda mais obsoleto, com a pílula diária trocando de lugar com a esterilização feminina. Por fim, são discutidas algumas características da fecundidade associadas ao mix contraceptivo obsoleto, que ainda prevalece no final da transição da fecundidade. Argumenta-se que isso poderia ser evitado ou minimizado se políticas e leis fossem baseadas apenas nos direitos reprodutivos de todas as pessoas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzana Cavenaghi, Pesquisadora independente

Doutora e mestre em Sociologia/Demografia pela Universidade do Texas - Austin (1994-99) e especialista em Demografia pelo Centro Latino Americano de Demografia (Celade) em 1989. Pesquisadora no Núcleo de Estudos de População da Unicamp de 1988-2004 e pesquisadora e professora de 2005-2019 no Programa de Mestrado e Doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) do IBGE. Atua como pesquisadora independente na área de demografia desde 2019.

Referências

ALVES, J. E. D. The context of family planning in Brazil. In: CAVENAGHI, S. (org.). Demographic transformations and inequalities in Latin America: historical trends and recent patterns. Rio de Janeiro: Alap, 2009. p. 297-302. (Serie Investigaciones, n. 8). Available at: http://www.alapop.org/alap/SerieInvestigaciones/InvestigacionesSI1aSi9/DemogTransformations.pdf.

ALVES, J. E. D.; CORRÊA, S. Demografia e ideologia: trajetos históricos e os desafios do Cairo+10. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 20, n. 2, p. 129-156, 2003.

ALVES, J.E.D.; MARTINE, G. Population, development and environmental degradation in Brazil. In: LENA, P.; ISSBERNER, L. R. Brazil in the Anthropocene: conflicts between predatory development and environmental policies. London; New York: Routledge, 2017.

BERQUO, E.; CAVENAGHI, S. Direitos reprodutivos de mulheres e homens face à nova legislação brasileira sobre esterilização voluntária. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, supl. 2, p. S441-S453, 2003. Available at: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000800025.

BERQUÓ, E.; CAVENAGHI, S. M. Increasing adolescent and youth fertility in Brazil: a new trend or a one-time event? In: ANNUAL MEETING OF THEPOPULATION ASSOCIATION OF AMERICA. Proceedings […]. Philadelphia, PA: Population Association of America, 2005.

BERQUÓ, E.; LIMA, L. P. de. Planejamento da fecundidade: gravidezes não-desejadas – PNDS 1996 e 2006. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, 2009. p. 136-149.

BIDDLECOM, A.; KANTAROVA, V. Global trends in contraceptive method mix and implications for meeting the demand for family planning. In: IUSSP INTERNATIONAL POPULATION CONFERENCE. Proceedings [...]. Busan, Republic of Korea: IUSSP, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministérioda Saúde, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, 2009.

BONGAARTS, J.; CLELAND, J.; TOWNSEND, J.; BERTRAND, J.; DASGUPTA, M. Family planning programs for the 21st century: rationale and design. New York: Population Council, 2012.

BONGAARTS, J.; JOHANSSON, E. Future trends in contraception in the developing world: prevalence and method mix. Studies in Family Planning, v. 33, n. 1, p. 24-36, 2002.

CAETANO, A. J.; POTTER, J. E. Sterilization for votes in the Brazilian northeast: the case of Pernambuco. Population and Development Review,v. 30, n. 1, p. 79-108, 2004.

CANESQUI, A. M. Planejamento familiar nos planos governamentais. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 2, n. 2, p. 1-20, 1985.

CARVALHO, J. A. M. de; BRITO, F. A demografia brasileira e o declínio da fecundidade no Brasil: contribuições, equívocos e silêncios. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 22, n. 2, p. 351-369, 2013.

CASTANHEIRA, H. C.; KOHLER, H.-P. It is lower than you think: recent total fertility rates in Brazil and possibly other Latin American countries. In: ANNUAL MEETING POPULATION ASSOCIATION OF AMERICA. Proceedings [...]. Washington, DC: Population Association of America, 2016.

CARVALHO, J. A. M; GONÇALVES, G. Aplicação da técnica P/F de Brass em um contexto de rápida queda da fecundidade adolescente. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 35, n. 1, p. 1-26, 2018.

CAVENAGHI, S. Bases de dados para o estudo da saúde sexual e reprodutiva. In: CAVENAGHI, S. (org.). Indicadores municipais de saúde sexual e reprodutiva. Rio de Janeiro; Brasília: Abep, UNFPA, 2006. p. 77-110. Available at: http://www.unfpa.org.br/Arquivos/indicadores.pdf.

CAVENAGHI, S. La planificación reproductiva en AméricaLatina: legislaciones y prácticas de la concepcióny contracepción. In: WONG. L. R. (org.). Avances y retrocesosen la salud sexual y reproductivaen América Latina. Rio de Janeiro: Alap, 2009. (Serie e-Investigaciones, n. 1).

CAVENAGHI, S. M.; ALVES, J. E. D. Qualidade das informações sobre fecundidade no Censo Demográfico de 2010. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 33, n. 1, p. 189-206, 2016. Available at: http://dx.doi.org/10.20947/S0102-309820160010.

CAVENAGHI, S. M.; ALVES, J. E. D. Fecundidade e dinâmica da população brasileira. Brasília: UNFPA, 2019.

CELADE – Centro Latinoamericano y Caribeño de Demografía; CFSC – Centro de Estudios de la Comunidad y la Familia. Fertility and family planning in metropolitan Latin America. Chicago: University of Chicago, 1972.

CEPAL – Comisión Económica para América Latina y el Caribe. La planificación familiar en América Latina. Santiago, DDR/7, 1992.

HUMANAE VITAE. Carta encíclica de Sua Santidade o Papa Paulo VI sobre a regulação da natalidade. Roma, 25/07/1968. Available at: https://w2.vatican.va/content/paul-vi/pt/encyclicals/documents/hf_pvi_enc_25071968_humanae-vitae.html.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatísticas do Século XX no Anuário Estatístico do Brasil, 1985. Rio de Janeiro, v. 46, 1985.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde – 2013. Questionário. Rio de Janeiro, s.d. Available at: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/pns/2013/default_microdados.shtm.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; UNFPA – Fundo de População das Nações Unidas. Projeto BRA/98/P08: Sistema Integrado de Projeções e Estimativas Populacionais e Indicadores Sociodemográficos.

HEILBORN, M. L. O ultra-som de uma “tragédia nacional”. Resultado: a gravidez precoce não é o drama que se noticia. O Estado de S. Paulo, caderno Aliás, 20 de fevereiro de 2005.

ICF. The DHS Program STATcompiler. Funded by USAID, 2012. Available at: http://www.statcompiler.com. Access in: Mar., 15, 2019.

LAGO, T. D. G. do. Nascimentos não planejados no Brasil eram 46% em 2006. Diminuíram? Revista Brasileira de Estudos de População, v. 32, n. 2, p. 387-394, 2015.

LE, H. H. et al. The burden of unintended pregnancies in Brazil: a social and public health system cost analysis. International Journal Women’s Health, v. 6, p. 663-670, 2014.

MARTINE, G. Formación de la familia y marginalidad urbana en Río de Janeiro. Santiago de Chile: Celade, 1975.

MARTINE, G. Brazil's fertility decline, 1965-95: a fresh look at key factors. Population and Development Review, v. 22, n. 1, p. 47-75, 1996.

MARTINE, G.; FARIA, V. Contexto social da política e da pesquisa em população no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 3, n. 1, p. 1-23, jan./jun. 1986.

OLIVEIRA, M. C.; VIEIRA, J. M. Gravidez na adolescência e bem-estar infantil: evidências para o Brasil em 2006. Revista Latinoamaericana de Población, v. 3, n. 6, p. 12-39, 2010.

OLSEN, J. M. et al. Práticas contraceptivas de mulheres jovens: inquérito domiciliar no Município de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, n. 2, 2018. Available at: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00019617.

PAIVA, P. de T. A. O processo de proletarização e a transição da fecundidade no Brasil. Revista Brasileira de Economia, v. 41, n. 4, p. 383-414, out. 1987.

PATARRA, N. L.; OLIVEIRA, M. C. F. A. Transição, transições. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 6. Anais [...]. Olinda, PE: Abep, 1988. v. 1, p. 17-36.

PEIPERT, J. F. et al. Continuation and satisfaction of reversible contraception. Obstetrics and Gynecology, v. 117, n. 5, p. 1105-1113, 2011.

PERPÉTUO, I. H. O.; RODRIGUEZ WONG, L. L. Desigualdade socioeconômica na utilização de métodos anticoncepcionais no Brasil: uma análise comparativa com base nas PNDS 1996 e 2006. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança, Brasília: Ministério da Saúde, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, 2009. p. 87-104.

POTTER, J. E. The persistence of outmoded contraceptive regimes: the cases of Mexico and Brazil. Population and Development Review, v. 25, n. 4, p. 703-739, 1999.

ROSS, J.; KEESBURY, J.; HARDEE, K. Trends in the contraceptive method mix in low- and middle income countries: analysis using a new ‘‘Average Deviation’’ measure. Global Health: Science and Practice, v. 3, n. 1, p. 34-55, 2015.

SINGH, S. et al. Abortion worldwide 2017: uneven progress and unequal access. New York: Guttmacher Institute, 2018.

RODRÍGUEZ-VIGNOLI, J. Fecundidad no deseada entre las adolescentes latinoamericanas: un aumento que desafía la salud sexual y reproductiva y el ejercicio de derechos. Santiago de Chile: Cepal, 2017. (Serie Población y Desarrollo, n. 119).

SIMMONS, A. E.; CONNING, A.; VILLA, M. (ed.). El contexto social de cambio de la fecundidad en América Latina rural. Aspectos metodológicos y resultados empíricos, volúmenes I-III. Santiago de Chile: Cepal, 1979.

TAUCHER, E. Efectos demográficos y socio-económicos de los programas de planificación familiar en la América Latina. In: URQUIDI, V.; MORELOS, J. B. (org.). Población y desarrollo en América Latina. México D.F.: Centro Latinoamericano de Demografía (Celade), Comisión Económica para América Latina y el Caribe (Cepal),Colegio de México, 1979.

THEME-FILHA, M. et al. Factors associated with unintended pregnancy in Brazil: cross-sectional results from the birth in Brazil National Survey, 2011/2012. Reproductive Health, v. 13, p. 235-265, 2016.

TRUSSELL, J. Contraceptive failure in the United States. Contraception, v. 83, n. 5, p. 397-404, 2011. UNITED NATIONS. Department of Economic and Social Affairs. Population Division. World contraceptive use 2015 (POP/DB/CP/Rev2015), 2015.

UNITED NATIONS. Department of Economic and Social Affairs. Population Division. World contraceptive use 2017. New York: United Nations, 2017. Available at: http://www.un.org/en/development/desa/population/publications/dataset/contraception/wcu2017.shtml.

UNITED NATIONS. Department of Economic and Social Affairs. Population Division. World contraceptive use 2018 (POP/DB/CP/Rev2018), 2018.

UNFPA – Fundo de População das Nações Unidas. Universal access to reproductive health: progress and challenges. New York: UN, jan. 2016. Available at: https://www.unfpa.org/publications/universal-access-reproductive-health-progress-and-challenges.

UNFPA – Fundo de População das Nações Unidas. Fecundidade e dinâmica da população brasileira. Brasília, 2018a. Available at: https://brazil.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/swop_brasil_web.pdf.

UNFPA – Fundo de População das Nações Unidas. State of world population 2018: the power of choice –reproductive rights and the demographic transition. New York: UN, 2018b. Available at: https://doi.org/10.18356/ff31c49d-en.

Publicado
2019-12-26
Como Citar
Cavenaghi, S., & Diniz Alves, J. E. (2019). O mix contraceptivo eternamente obsoleto no Brasil e seu legado. Revista Brasileira De Estudos De População, 36, 1-29. https://doi.org/10.20947/s0103-3098a0103
Seção
Artigos originais